GeoPoesis e Retomada Grupo Totem no Território do Povo Xukuru


GeoPoesis e Retomada no Território do Povo Xukuru


GeoPoesis Grupo Totem. Foto Fred Nascimento


O Projeto GeoPoesis tem dois principais focos, a apresentação de ‘Retomada”,  nas aldeias dos povos indígenas que acolheram o Totem durante o projeto Rito Ancestral Corpo Contemporâneo, e a gravação de GeoPoesis, uma videoperformance construída a partir da ideia de integração do corpo com os quatro elementos, mergulhados na geografia das aldeias.

GeoPoesis Grupo Totem. Foto Fred Nascimento






































O Totem realizou a terceira e última etapa do Projeto GeoPoesis durante o feriado da Semana Santa nos dias 29, 30 e 31 de março e 1 de abril. Desta vez o grupo foi acolhido pelo povo Xukuru, na aldeia Santana.


Num primeiro momento foi realizado o mapeamento de algumas áreas dentro do território Xukuru, a fim de que fossem escolhidos os locais para as locações. Nas duas primeiras viagens já tinham sido realizadas as gravações das performances individuais, chegara a hora da gravação das performances coletivas, desenvolvidas nos laboratórios que antecederam as gravações.


GeoPoesis Grupo Totem. Foto Fred Nascimento


Por GeoPoesis abordar uma vastidão de assuntos, seu conteúdo também tornou-se vasto, o contato corpo em simbiose com a terra, com a paisagem, com os quatro elementos, com arquétipos que foram aparecendo no processo de criação, de certa maneira passou a dar mote ao trabalho.

GeoPoesis Grupo Totem. Foto Fred Nascimento


Retomada em Cimbres


No dia 31 de abril, a apresentação de Retomada em Cimbres foi algo de mágico para todos os envolvidos, não só para os componentes do Totem e participantes do projeto, mas também para os Xukuru que lá estavam. Cimbres tem uma importância ímpar na história do povo Xukuru da Serra do Ororubá. Lá se encontra a igreja de N Srª dos Montes, Tamain, para o povo Xukuru. Mais que isso, Cimbres foi palco e símbolo da colonização, por mais de duzentos anos, foi lá que o estado português e a Igreja davam suporte para a usurpação das terras indígenas, por parte de fidalgos portugueses, protegendo e incentivando os posseiros e ao mesmo tempo catequizando os indígenas, na tentativa de transformá-los em cordeiros e mão de obra barata.    

      
Retomada Grupo Totem - Cimbres. Foto Fernando Figueiroa



Retomada Grupo Totem - Cimbres. Foto Fred Nascimento

Retomada Grupo Totem - Cimbres. Foto Fred Nascimento








GeoPoesis e Retomada Grupo Totem no Território do Povo Kapinawá


GeoPoesis e Retomada no Território do Povo Kapinawá


Estamos fazendo um breve relato das viagens do Grupo Totem aos povos indígenas de Pernambuco. Em janeiro de 2018 o Grupo Totem deu continuidade ao do Projeto “GeoPoesis”, com o apoio do Funcultura,  visitando o povo Kapinawá, na Aldeia Mina Grande, entre os dias 18 e 21.  O projeto “Geopoesis  já havia visitado povo Pankararu, em outubro de 2017, dando inicio as gravações de uma  videoperformance  na aldeia Agreste e também na Aldeia Brejo dos Padres, que recebeu  a apresentação de “Retomada”.

Geopoesis Grupo Totem - videoperformance . Inaê Veríssimo. Foto Fernando Figueiroa

















A geografia de cada aldeia visitada é única, proporcionando uma experiência completamente nova a cada povo visitado. “Geopoesis” busca justamente a simbiose entre o corpo e a paisagem, a terra, os elementos da terra, o entorno, a metafísica, o imaginário e a energia que emana desses lugares sagrados. Dentro dessa visão, as atrizes/performers do Totem, efetuaram um mergulho mais profundo em direção a esse ‘lugar', procurando-o primeiramente dentro delas.


GeoPoesis Grupo Totem. Juliana Nardin por Fernando Figueiroa

A preparação para essa segunda viagem passou por laboratórios internos, e também por uma vivência sensorial, em contato com a natureza, que aconteceu na Mata de São João da Várzea, conhecida como a mata de Brennand, em Recife.  O Grupo adentrou na mata e lá performou todas as performances que estavam sendo geradas nos laboratórios.



GeoPoesis Grupo Totem . Foto Fernando Figueirôa.
Cercados por um ambiente mágico e espetacularmente belo, no primeiro momento o grupo mapeou o espaço circundante, escolhendo os locais das gravações.  Os outros dias foi dedicado às gravações, cada uma das atrizes-performers do Totem gravou sua performance em um local específico, dando vida às suas personas em simbiose com a natureza exuberante e mágica.







RETOMADA na Aldeia Mina Grande

Retomada Grupo Totem. Aldeia Mina Grande Território Kapinawá. Foto Fernando Figueiroa
No noite do dia 21, a apresentação de “Retomada” foi um capítulo à parte, depois de uma tarde de muita chuva que deixou toda a equipe um tanto apreensiva quanto a apresentação à noite, à presença do público, ao espaço. Passada a chuva, corre-corre, luzes, som, elementos de cena, tudo em seu devido lugar. Carros de aluguel chegando de aldeias irmãs, público: presente! Começamos e fez-se a mágica! Uma plateia atenta e cúmplice. A alma coletiva presente, um debate de lavar a alma. Missão cumprida.

Retomada Grupo Totem. Aldeia Mina Grande Território Kapinawá. Foto Fernando Figueiroa.


Retomada Grupo Totem. Aldeia Mina Grande Território Kapinawá. Foto Fernando Figueiroa

Retomada Grupo Totem. Aldeia Mina Grande Território Kapinawá. Foto Fernando Figueiroa


GeoPoesis e Retomada Grupo Totem no Território do Povo Pankararu


GeoPoesis 


Durante o ano de 2017 o Totem se dedicou ao Projeto GeoPoesis, um desdobramento da pesquisa anterior “Rito Ancestral Corpo Contemporâneo”, ambos aprovados pelo FUNCULTURA. Das residências realizadas junto aos povos Pankararu, Kapinawá  e Xucuru em 2016, para vivenciar os rituais sagrados destes povos, nasceu "Retomada", uma performance ritual cênica inspirada na luta pela terra, pelo bem comum, pela manutenção da sabedoria ancestral e pelas práticas espirituais.


GeoPoesis Grupo Totem. - Videoperformance. Foto Fred Nascimento
GeoPoesis é uma pesquisa que tem o objetivo de voltar aos povos visitados ao longo de 2016. A primeira experiência dessa volta aconteceu em outubro de 2017, quando o Totem esteve nas Aldeias Agreste e Brejo dos Padres do Povo Pankararu, na primeira realizou as primeiras gravações de uma videoperformance, que o grupo está produzindo, e também para inserções em vídeo no espetáculo “Retomada”. Na segunda aldeia apresentou o espetáculo  seguido de debate.

GeoPoesis Grupo Totem - videoperformance. Juliana Nardin. Foto Fred Nascimento
Os componentes do Grupo tinham um pouco de receio, pois era a primeira experiência de apresentar “Retomada” numa aldeia, a fonte do espetáculo, mas receptividade do povo Pankararu ao espetáculo foi muito boa. Estávamos lá para mostrar a eles que somos solidários à sua luta.






GeoPoesis Grupo Totem - videoperformance. Inaê Vewríssimo. Foto Fred Nascimento
GeoPoesis Grupo Totem - videoperformance. Lau Veríssimo. Foto Fred Nascimento































A videoperformance será uma continuidade do processo que gerou o espetáculo, uma busca de nos aprofundarmos nas paisagens das terras pelas quais eles lutam, a busca de uma simbiose com o lugar, de procurar melhor entender e respeitar a ancestralidade dos povos. A territorialização está intimamente relacionada ao processo de emergência étnica e de construção das identidades indígenas.









Em maio de 2018, o Totem estará encerrando o Projeto Geopoesis com uma apresentação de “Retomada”, totalmente repaginado e resignificado, além do lançamento do videoperformance que está sendo gravado nas aldeias.
Em janeiro o grupo esteve na Aldeia Mina Grande do povo Kapinawá, mas essa é uma outra história.







Retomada na Aldeia Brejo dos Padres.
Retomada Grupo Totem. Aldeia Brejo dos Padres. Foto Fernando Figueiroa

Retomada Grupo Totem. Aldeia Brejo dos Padres. Foto Fernando Figueiroa

Retomada Grupo Totem. Aldeia Brejo dos Padres. Foto Fernando Figueiroa

Retomada Grupo Totem. Aldeia Brejo dos Padres. Foto Fernando Figueiroa

Retomada Grupo Totem. Aldeia Brejo dos Padres. Foto Fernando Figueiroa






RETOMADA do Totem despede-se do Teatro Arraial

O Totem convida para a despedida de RETOMADA. 
RETOMADA - grupo Totem - foto Fernando Figueiroa
 
Atenção desejosos de plantão, tem sido belo, intenso e fortalecedor viver esta temporada, mas está chegando ao final, este é o último final de semana de apresentações de RETOMADA, no Teatro Arraial, sexta e sábado, às 20h. Quem ainda não viu, simbora!
RETOMADA - grupo Totem - foto Fernando Figueiroa
“Retomada” nos fala das vozes que fortemente persistem em ecoar sobre a terra arrasada. Com sua poética polifônica, o Totem corporifica a sacralidade das terras indígenas e manifesta sua identificação com o sentimento de resistência dos povos originários. A encenação é envolvida pela força da ‘alma coletiva’, que séculos de colonização não conseguiu anular e que vem sendo retomada pelos povos, por ter sua vitalidade ancorada na ancestralidade.
RETOMADA - grupo Totem - foto Fernando Figueiroa
Nosso mais profundo agradecimentro e respeito aos povos originários, especificamente os Pankararu, Xukuru e Kapinawá que partilharam com o grupo de seus saberes ancestrais e de resistência pelas terras sagradas.
Essa luta também é sua.

Pelos povos originários, por todos os viventes e encantados, avançaremos!!!

RETOMADA - grupo Totem - foto Fernando Figueiroa
SERVIÇO
Últimas apresentações da temporada: 26 e 27 de maio
Dias: Sexta e sábado
Hora: 20h
Ingressos: 10,00 meia entrada e 20,00 inteira
Local: Teatro Arraial, Rua da Aurora, 457 - Recife

"RETOMADA" em Temporada

“Retomada”, do Totem, em temporada no Teatro Arraial - Recife


O grupo Totem segue com a temporada de “Retomada”, no Teatro Arraial Ariano Suassuna, um trabalho que vem somar sua fala às vozes dos povos indígenas, à sabedoria ancestral, à luta pela demarcação de suas terras. “Retomada” se solidariza a todos os que sofreram e ainda sofrem com a invasão de suas terras e o assassinato de seus líderes.

A performanceRetomada”, fez sua estreia exatamente a um anos atrás, maio 2016, no “Trema! Festival de Teatro”, passando depois pelo Cirkula/IRB, pela Mostra Outubro ou Nada de Teatro Alternativo, pela Mostra A Porta Aberta e recentemente pela Mostra de Teatro e Circo do SESC Santo Amaro. A atual temporada atravessará todo o mês de maio às sextas e sábados – 20h.

RETOMADA - Grupo Totem - Foto Fernando Figueiroa
“Retomada” é fruto da Pesquisa Rito Ancestral Corpo Contemporâneo, que possibilitou residências artísticas junto aos povos kapinawá, xukuru e pankararu, que o Totem mergulhou nos rituais, alicerçando, dilatando e aprofundando seu saber e fazer artístico. Possibilitando a busca de uma experiência estética transcendente, com uma cena ampliada com corpos vivos de pulsões e fluxos.

Nosso espetáculo é nossa maneira de lutarmos por um país onde caibam todos. “Retomada” simboliza a alma coletiva, o sentido de pertencimento e o direito ao bem comum. É um território onde ecoam vozes seculares que nos chamam para a luta. Com “Retomada” o Totem corporifica a sacralidade das terras indígenas, sentida no ato ritual e na reverência de espírito aguerrido os povos têm pelas suas terras. O espaço sagrado pelo qual se luta, é o mote desse trabalho, uma ode à mãe geradora e mantenedora de tudo. Retomada é um chamado à experiência estética transformadora. 


RETOMADA - Grupo Totem - Foto Leandro Lima
A cena ritual criada pelo grupo, não reproduz rituais vividos nas aldeias, através da sua linguagem que mistura dança teatro performance e ritual, característica de sua poética, o Totem manifesta sua identificação com o sentimento de resistência. Sendo este um ato ritual único, onde os corpos entoam a força coletiva e invocam as vozes silenciadas nas páginas do tempo. A energia da atmosfera sagrada se faz presente, formando um corpo expandido entre o físico, o sonoro, o espaço circundante e a metafísica, uma obra cosmológica, trazida à cena contemporânea através do contato com forças ancestrais. Integrando assim o público ao ritual, à consagração das conquistas, à vida dedicada à paisagem real e imaginária, onde se encontram os saberes originários.



RETOMADA - Grupo Totem - Foto Leandro Lima
O trabalho conta com trilha sonora original executada por Fred Nascimento na percussão, Cauê Nascimento na Guitarra e Gustavo Vilar nas flautas e nos maracás, numa sonoridade que funde elementos da musicalidade indígena com as possibilidades contemporâneas. O trabalho de voz e corpo, durante o período da pesquisa, foi orientado pelo dançarino/performer e músico Conrado Falbo, posteriormente o trabalho de preparação vocal ficou a cargo de Thiago Neves.

RETOMADA - Grupo Totem - Foto Fernando Figueiroa

A pesquisa e execução da pintura corporal é do artista plástico Airton Cardin. O desenho de luz de Natalie Revoredo e a projeção do VJ Bio Quirino possuem papel essencial na atmosfera criada, capaz de envolver e o público no ritual que constitui o espetáculo, convocando-o à energia do coletivo. Em cena Lau Veríssimo, Gabriela Holanda, Inaê Veríssimo, Gabi Cabral, Juliana Nardin, Taína Veríssimo e El Maria (performer convidada). Fred Nascimento assina a encenação/direção geral do espetáculo.


RETOMADA - Grupo Totem - Foto Fernando Figueiroa
Ficha Técnica
Encenação: Fred Nascimento
Coreografias coletivas do grupo Totem
Preparação corporal: Totem
Performers: Gabi Cabral, Gabriela Holanda, Inaê Veríssimo, Juliana Nardin, Lau Veríssimo, Taína Veríssimo e El Maria (performer convidada)
Música original: Cauê Nascimento, Fred Nascimento e Gustavo Vilar
Cenografia: Totem
Figurino: Gabriela Holanda
Maquiagem: Tatiana Pedrosa / Totem
Designer de luz: Natalie Revorêdo
Vj: Bio Quirino
Pintura corporal: Airton Cardim
Direção de palco: Tatiana Pedrosa
Assistente técnico: Ronaldo Pereira
Fotografia: Fernando Figueiroa
Designer gráfico: Uirá Veríssimo
Preparação vocal: Conrado Falbo e Thiago Neves


SERVIÇO
“RETOMADA” – performance do grupo Totem
Temporada (cont.) 12 a 27/maio – sextas e sábados
20h
R$ 20 e 10 (meia)
Local: Teatro Arraial Ariano Suassuna- Rua da Aurora, 457 – Boa Vista – Recife.
Fone: (81) 3184-3057
















Retomada no encerramento da Mostra de Teatro e Circo do SESC Santo Amaro - Recife


Retomada no encerramento da Mostra de Teatro e Circo do SESC Santo Amaro - Recife




A performanceRetomada”, do Totem,  fez sua estreia em maio passado, no “Trema! Festival de Teatro”, passando depois pelo Cirkula/IRB, pela Mostra Outubro ou Nada de Teatro Alternativo, pela Mostra A Porta Aberta. Neste sábado 1 de abril Retomada volta à cena em sua primeira apresentação de 2017 na Mostra de Teatro e Circo do SESC Santo Amaro, fechando a referida Mostra às 19:30 no Teatro Marco Camarotti.

Retomada - Totem em performance - foto Fernando Figueiroa

Retomada” é fruto da Pesquisa Rito Ancestral Corpo Contemporâneo, que possibilitou residências artísticas junto aos povos kapinawá, xukuru e pankararu, que o Totem mergulhou nos rituais, alicerçando, dilatando e aprofundando seu saber e fazer artístico. Possibilitando a busca de uma experiência estética transcendente, com uma cena ampliada com corpos vivos de pulsões e fluxos. 

Retomada -  Totem em performance - foto Fernando Figueiroa

 “Retomada” nos fala das vozes que fortemente persistem ecoando sobre a terra arrasada. Nela o Totem corporifica a sacralidade das terras indígenas, sentida no ato ritual e na reverência de espírito aguerrido que tem seu povo pela sua terra. O espaço sagrado pelo qual se luta, é o mote desse trabalho, uma ode à mãe geradora e mantenedora de tudo. A cena ritual criado pelo grupo, não representa ou reproduz rituais vividos nas aldeias, através do teatro performático, característico de sua poética, o Totem manifesta sua identificação com o sentimento de resistência. Sendo este um ato ritual único, onde os corpos entoam a força coletiva e invocam as vozes silenciadas nas páginas do tempo. Uma encenação que simboliza a alma coletiva, o sentido de pertencimento e o direito ao bem comum. Integrando assim o público ao ritual, à consagração das conquistas, à vida dedicada à paisagem real e imaginária, onde se encontram os saberes originários. A energia da atmosfera sagrada se faz presente, formando um corpo expandido entre o físico, o sonoro, o espaço circundante e a metafísica, uma obra cosmológica, trazida à cena contemporânea através do contato com forças ancestrais.



Retomada - Grupo Totem - Taína Veríssimo em performance

O trabalho conta com trilha sonora original executada por Fred Nascimento na percussão, Cauê Nascimento na Guitarra e Gustavo Vilar no pífano e nos maracás, numa sonoridade que funde elementos da musicalidade indígena com as possibilidades contemporâneas. O trabalho de voz e corpo, durante o período da pesquisa, foi orientado pelo dançarino/performer e músico Conrado Falbo, posteriormente o trabalho de preparação vocal ficou a cargo de Thiago Neves. A pesquisa e execução da pintura corporal é do artista plástico Airton Cardin. O desenho de luz de Natalie Revoredo e a projeção do VJ Bio Quirino possuem papel essencial na atmosfera criada, capaz de envolver e o público no ritual que constitui o espetáculo, convocando-o à energia do coletivo. Em cena Lau Veríssimo, Gabriela Holanda, Inaê Veríssimo, Gabi Cabral, Juliana Nardin e Taína Veríssimo. Fred Nascimento assina a direção geral do espetáculo.








'RETOMADA' do grupo Totem no encerramento da 1ª Mostra de Teatro Alternativo do Recife Outubro ou Nada


'RETOMADA', do grupo Totem no encerramento da 1ª Mostra de Teatro Alternativo do Recife Outubro ou Nada




Neste sábado o Totem estará mostrando a performance Retomada, no encerramento da 1ª Mostra de Teatro Alternativo do Recife Outubro ou Nada. Retomada só foi visto no Trema! Festival de Teatro, e no Cirkula no IRB. Neste sábado é uma oportunidade única de se conferir Retomada, um verdadeiro chamado para a guerra. A apresentação será no Coletivo Lugar Comum, que fica na Rua Capitão Lima, 210, STº Amaro, Recife.


 RETOMADA - performance do Totem. Lau Veríssimo em performance. Crédito Fernando Figueiroa

          Com Retomada, o Totem corporifica a sacralidade das terras indígenas e manifesta sua identificação com o sentimento de resistência dos povos. O corpo contemporâneo do grupo é envolvido na força da ‘alma coletiva’, que séculos de colonização não conseguiu anular. A luta pela terra, ancestralidade e cosmologia, é o mote desse trabalho. Sendo este um ato ritual único, que simboliza o espírito coletivo, o sentido de pertencimento e o direito ao bem comum. A energia da atmosfera sagrada se faz presente, formando um corpo expandido entre o físico, o sonoro, o espaço circundante e a metafísica.

 RETOMADA - Performance do Totem. Crédito Fernando Figueiroa

O espetáculo “Retomada”, é fruto da pesquisa “Rito Ancestral Corpo Contemporâneo” vivenciada pelo grupo em 2015/2016, com o incentivo do Fundo Pernambucano de Incentivo a Cultura – Funcultura. Em busca de fortalecer sua linguagem cênica ritual, o Totem se debruçou sobre os rituais do Povo Pankararu, Xukuru e Kapinawá, partilhando de seus ritos, saberes e visão de mundo. Assim reconhecendo a afirmação da identidade indígena e manutenção de suas culturas, a perseverança na luta pela terra originária e pela garantia das terras retomadas, bem como identificando a inter-relação existente entre o mundo material e o espiritual e a comunicação desses com seus ‘encantados’. 

 RETOMADA - performance do Totem. Crédito Fernando Figueiroa

FICHA TÉCNICA
Encenação: Fred Nascimento
Atrizes-performers: Gabi Cabral, Gabriela Holanda, Inaê Veríssimo, Juliana Nardin, Lau Veríssimo e Taína Veríssimo
Música original: Cauê Nascimento, Fred Nascimento e Gustavo Vilar
Preparação corporal: grupo Totem
Cenografia: grupo Totem
Figurino: grupo Totem
Maquiagem: grupo Totem
Designer de luz: Natalie Revorêdo
Vj: Bio Quirino
Pintura corporal: Airton Cardim
Assistente técnico: Ronaldo Pereira
Fotografia: Fernando Figueirôa
Designer gráfico: Uirá Veríssimo
Preparação vocal: Conrado Falbo e Thiago Neves
Assessoria de imprensa: Beth Oliveira
Produção executiva e produção geral: grupo Totem

SERVIÇO
Retomada - performance do grupo Totem
Local: Coletivo Lugar Comum - Rua Capitão Lima, 210 - Stº Amaro, Recife
19h
R$ 20 e 10